Propósito é viver as perguntas

Há quase duas semanas, comecei a trabalhar na Saferworld, uma organização inglesa internacional que atua em zonas de conflitos e violência. Estou  fazendo parte de um time que busca uma estratégia de paz na região de Karamoja, que é composta por 5 distritos: Abim, Kaabong, Kotido, Moroto e Nakapiripirit. Essa região é fronteira entre Kenya e Uganda. 

Desde que comecei, leio calhamaços de papéis e pdfs. É impressionante a quantidade de informação e estudo que precisa se ter pra conseguir entender o que acontece numa situação assim. Falo isso, ainda com absoluta certeza de que meu aprendizado será superficial independente do quanto eu me esforce. Pessoas que trabalham com isso normalmente são PHDs com anos de experiência na região, um vasto e longo caminho percorrido em função daquele ideal. Além das infinitas leituras, tem todo o intenso trabalho de campo e vulnerabilidade de se expor na zona de risco (que provavelmente vou sentir apenas um pequeno gostinho durante esses dois meses). Eu não acho que vá seguir por esse caminho no futuro, mas fico feliz de estar fazendo algo em que veja um propósito.

Eu sempre me questionei muito sobre o fato de fazer algo que não tivesse um sentido. Nos últimos anos, esse sentimento cresceu assustadoramente e cada vez mais eu sinto que não há como voltar pra um trabalho que não tenha significado. Eu ainda não sei como vou fazer isso, mas essa é a minha busca. Não sei se vou encontrar respostas, mas estou feliz de me permitir viver as perguntas. Feliz de me expor ao desconhecido, de me expor aqui nesse blog, de ir ao encontro ao que parece que é certo e me faz dormir tranquila.

“Don’t ask what the world needs, ask what makes you become alive. What the world needs is more people who feel alive”. – Filme Who Cares?

Antes de eu chegar aqui, um amigo me disse que eu seria “capturada” pela África. Cada dia que passa eu entendo mais sobre o que ele estava querendo dizer. Tem algo nesse lugar que me faz sentir como se todo dia fosse inteiramente vivido. Posso dizer que estou passando por um dos períodos mais presentes da minha vida. Presente no sentido de viver o agora, estar ouvindo alguém de verdade, aprendendo, conhecendo algo de corpo e alma. Presente também porque essa experiência tem um imenso significado no meu coração e eu sinto que estou recebendo muito. A falta de algumas coisas tem me feito perceber o quanto não preciso delas. É impressionante como tudo pode ser bem mais simples. Simplicidade em tudo e todos.

Eu sinto que estou resignificando muitas coisas. Talvez esse seja o começo do encontro do meu propósito. Fico muito feliz de todos os dias  receber algum recado, alguma mensagem de família e amigos me encorajando a fazer o que meu coração mandar. Nem que seja continuar vivendo em Nairobi por mais um tempo. Quem sabe?

2014-01-11 14.46.02

“Have patience with everything that remains unsolved in your heart. Try to love the questions themselves, like locked rooms and like books written in a foreign language. Do not now look for the answers. They cannot now be given to you because you could not live them. It is a question of experiencing everything. At present you need to live the question. Perhaps you will gradually, without even noticing it, find yourself experiencing the answer, some distant day.” ― Rainer Maria Rilke, Letters to a Young Poet

Anúncios

13 respostas em “Propósito é viver as perguntas

  1. Que lindo texto Kamilla. Não tem como não se identificar com o fato de procurar um sentido no que se faz. Mais ainda quando as viagens nos mostram o quanto o excesso é inútil. Aqui em SP a gente se deixa levar… Tô te acompanhando. Não deixa de postar. Beijos

  2. Kamila, conheci seu blog através de uma postagem no face da querida amiga Fernanda Gusmão. De cara, admirei muito seu propósito e concordo q, quando encontramos um significado no q fazemos, a vida, além de mais feliz, passa a ter mais sentido. Adorei esse texto de hj. Vc está no caminho certo.
    Abraços, Marcela

  3. Kamiiiis, que bom poder participar um pouco do que vc tá vivendo! Além de ficar feliz por vc, acho que faz cada um parar para pensar sobre o significado do que nós estamos fazendo com nossas vidas. E, para quem sentir esse incômodo, que tenha oportunidade de viver uma “Nairóbi”. Parabéns por ter feito acontecer, depois daí vc vai ser uma pessoa ainda mais especial. Beijo grande, Mo.

  4. Pingback: Safari Maisha | JAMBO KENYA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s